BAMBU ANCESTRAL

“Um homem pode ser acomodado em uma casa de bambu sob um telhado de bambu em uma cadeira de bambu em uma mesa de bambu com um chapéu de bambu em sua cabeça e sandálias de bambu em seus pés. Ele pode, ao mesmo tempo, tem de um lado uma tigela de bambu, por outro lado varas de bambu, e comer brotos de bambu. Quando você terminar sua refeição, que foi cozido ao fogo tabela de bambu pode ser lavado com um tecido de bambu, e ele pode agitar-se com um bambu fã, tirar uma soneca em uma cama de bambu, deitado em uma esteira de bambu, com a cabeça apoiada em um bambu travesseiro. seu filho pode descansar em um berço de bambu, brincando com um bambu brinquedo. Quando ele se levantou, ele fumava um bambu tubo e uma caneta de bambu, escrever no papel de bambu, ou iria levar as suas coisas em uma cesta de bambu suspenso de uma vara de bambu com um guarda-chuva de bambu sobre ela Ele pode então dar um passeio em uma ponte. uspendido de bambu, beber água de uma casca de bambu e arranhar com um raspador de bambu.”

(GEIL, William Edgar, 1994, pg.268)

O bambu é um material ancestral que anda com a humanidade. Usada como matéria-prima básica para vários países asiáticos e alguns países da América Latina, como Colômbia e Costa Rica, seu uso democrático é garantido pela abundância de seu ambiente e por ter usos tão diversos e uma renovação tão rápida. Em muitos países, é conhecido por nomes que se referem à abundância de material, como na Índia, que é chamada de “madeira dos pobres” ou na China, que usa o termo “amigo do povo”.

“Historicamente, o bambu tem acompanhado os seres humanos, fornecendo alimentos, abrigo, ferramentas, utensílios e uma infinidade de outros itens, estimados atualmente para contribuir para a subsistência de mais de um bilhão de pessoas, bem como usos tradicionais. , tem sido o desenvolvimento de usos industriais do bambu”.

(Sastry, 1999)

Hoje vem sendo popularizado pelo crescente estímulo às tecnologias renováveis de construção, buscando a redução da extração de materiais com tempo de renovação muito longo, como é o caso da madeira, que muitas vezes é praticada ilegalmente e predatória, causando a destruição de Florestas nativas como a Amazônia, que em menos de 50 anos destruiu quase 20% de sua cobertura florestal.

“Durante décadas, para atender a demanda nas estruturas de madeira para telhados, os principais centros de madeira serrada, localizados nas regiões Sul e Sudeste, forneceram o pinheiro paraná e a peroba-rosa, explorados nas florestas nativas daqueles Com o esgotamento dessas florestas, o fornecimento de madeira nativa passou a ser realizado, em parte, por países limítrofes, como o Paraguai, mas mais significativamente, pela Amazônia.”

(Ferreira, 2003)

O bambu é uma gramínea que se desenvolve geralmente em clima tropical e tem um crescimento extremamente rápido e cíclico. Algumas espécies crescem até um metro por dia até atingirem a fase adulta, o que permite que uma colheita anual seja feita sem que haja uma modificação estrutural na floresta de bambu (seja esmagadora ou canalizada). No presente trabalho analisamos os resultados obtidos na análise dos resultados obtidos na análise dos resultados obtidos, instrumentos musicais, etc.

Pelo seu modo constituinte, comporta-se como uma bomba de armazenamento de água cujo funcionamento é dado pelos seus vasos comunicantes. Absorve importantes volumes de água que se alojam em seu sistema rizomático e seu caule. Assim, contribui para o enriquecimento dos solos, proporciona a biodiversidade e a regulação dos recursos hídricos.

A escolha das arestas para corte deve respeitar algumas regras para que a maturação do material seja completa, garantindo que todas as suas propriedades mecânicas funcionem bem. Existem diferentes tempos de maturação para diferentes usos.

O TRATAMENTO

O bambu apresenta problemas de durabilidade quando não submetido ao tratamento por possuir quantidade significativa de amido, atraindo fungos e insetos que dificultam a resistência do material. O processo de tratamento inverte o “sabor” do bambu, reduzindo a quantidade de amido que o torna mais interessante para os insetos.

Os processos de tratamento são subdivididos em tradicionais e químicos, dependendo da disponibilidade local de recursos. Alguns métodos tradicionais são cura de maturação no mato, imersão em água salgada, ação de fogo ou até mesmo fumaça. Do lado positivo, são métodos extremamente baratos ou sem custo, funcionando bem dentro da lógica local em que o escritório está inserido, procurando trabalhar com esses processos locais e naturais sempre que possível, nos casos em que isso não é possível. usado é feito misturando sais como ácido bórico com bórax.

TRANSFORMAÇÃO E ADAPTABILIDADE

Estima-se que na China (o país que mais utiliza o bambu no mundo) existem mais de 4 mil maneiras de usar o material. Essas formas são tão diversas que seria impossível datar todas de uma só vez, então foque no uso do bambu na construção civil, que aparece como um elemento desde o aspecto estrutural do trabalho até os fechamentos, pisos e telhados. É um material que se adapta a diferentes modos de transformação, podendo ser rasgado, emoldurado ou mesmo utilizado em sua forma tubular original.

Podemos exemplificar algumas variações técnicas com imagens de obras já realizadas pelo escritório, permitindo compreender como essas diferentes formas de transformar o material são importantes para a composição de uma arquitetura predominantemente feita em bambu.

RESTAURANTE HUMO

O restaurante Humo (concluído em 2017 no México) é quase todo constituído pelo material. Os pilares de bambu com rosca dupla são conectados à fundação de concreto por esperas de metal e prendem o feixe de bambu ripado comprimido por grampos – nova técnica que permite ao feixe manter as características mecânicas do bambu (resistência à tração, flexão e torção, ao mesmo tempo, sendo flexível) – servindo como base para uma cobertura estruturada por armários de bambu cobertos por forro (feito pela técnica de tapetes cobertos por telha de bambu).

CASA NA ÁRVORE

A Casa da Árvore (concluída em 2015 na Colômbia) é acessada por uma rampa que é estruturada por arcos de bambu rasgados e comprimidos, estes ancorados na fundação do concreto. O bambu roscado axialmente disposto para a árvore também contribui para a estrutura da rampa e do edifício, que tem todos os seus recintos de bambu, seja em painéis raster ou ripados.